30 de jun de 2011

A Antimarcha: Cristãos doando vida.




Quando lançamos nos blogs as chamadas para o protesto na Marcha para Jesus, fomos procurados pelo Jonnhathan, membro da Igreja Cristã Zion. Ele propôs a “antimarcha”, um movimento diferente a ser realizado no dia 25/06, dois dias após a Marcha para Jesus. Nesse movimento, os manifestantes doariam sangue no Hospital das Clínicas, fazendo assim algo de prático ao próximo.
Abraçamos essa idéia, e inclusive a anunciamos num dos artigos deste blog. Cremos que o cristianismo deve ser prático, e não apenas teórico. Cremos que devemos seguir a Cristo, e Ele tinha um cuidado todo especial com os que sofriam. Jesus alimentava as multidões, curava os enfermos, visitava os doentes, conversava com os marginalizados.
E nós, que nos dizemos cristãos, o que fazemos em prol do próximo? Muitas vezes nada, afinal já damos o dízimo na igreja e “deus” tem que nos abençoar. Quem está numa situação ruim precisa se converter, ir para a igreja e passar a dizimar, que a coisa melhora.
Enfim, dia 25 de junho estávamos lá, juntamente com o Jonnathan, a Milena, a Raquel e a Íris, todos membros da Igreja Cristã Zion. Alguns doavam sangue pela primeira vez, e mesmo com medo, não se acovardaram. Outros, já eram doadores regulares.
A doação de sangue é um procedimento praticamente indolor, só uma picadinha na hora que colocam a agulha, mas creiam, dói menos que o furinho no dedo que fazem para o teste de anemia. Em poucos minutos uma bolsa de cerca de 400ml é cheia, sendo ela esperança de vida para muitas pessoas. Um gesto simples, mas que literalmente pode salvar uma vida.
O Paulo estava comentando conosco: já pensaram se, dos milhões que marcharam para Jesus, apenas uns 10 mil fossem doar sangue? Não haveria falta de sangue nos hospitais! E se cada um dos marchadores levasse R$ 3,00 de oferta para a reconstrução das casas destruídas em Niterói (assunto do qual ninguém mais fala, porém as pessoas ainda estão lá desabrigadas)? Os cristãos fariam a diferença!
Um dos comentários que recebemos sobre o protesto na marcha mostrou indignação por mendigos estarem morrendo de frio, em meio a tantas igrejas ditas cristãs. Será que nós, Igreja de Cristo, vamos continuar parados, vendo nossos semelhantes morrerem sem cuidado e até sem salvação, só porque não são dizimistas e ofertantes?
Nós queremos fazer a diferença. Estamos divulgando esse ato apenas como um exemplo de que cristianismo tem que ser prático e porque devíamos uma satisfação, uma vez que foi um evento anunciado neste blog. Porém os próximos atos desse tipo não serão divulgados, afinal sobre o que faz a mão esquerda a direita não precisa saber (e vice-versa). Nosso protesto não é apenas contra a teologia da prosperidade, mas também para que o amor dos cristãos volte a esquentar, e que passemos a olhar o outro como alguém muito importante, afinal mesmo mendigo, em trapos, usando drogas, se prostituindo, roubando, matando, ainda assim foi feito à imagem e semelhança de Deus, e por ele Jesus também morreu. O ladrão da cruz foi salvo nos 47 minutos do segundo tempo, pois onde abunda o pecado, superabunda a Graça.
Em suma, o Evangelho puro e simples de Jesus dizia isso: amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo.
Que, como cristãos, sejamos mensageiros da Graça e do Amor de Cristo, nesse mundo em trevas.
Júlio César-O Proponente

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.