12 de ago de 2011

Prospe-rindo



“ Recebemos o bem de Deus, e não receberemos o mal?” (Jó 2:10)
Este evangelho da prosperidade se é que podemos o chamar assim, uma vez que evangelho são boas novas, e este não é nem boa e nem nova.
Já fazem mais de 2 décadas que este pseudo evangelho tem sido a mola propulsora do crescimento evangélico no Brasil.
E esta cada vez mais em evidencia, quando você ler “ Super Crentes” de Paulo Romeiro um livro que trata este assunto, publicado em 1993, a sensação que você tem é que esta estudando um assunto super atual, mas na verdade é antigo.
A historia pentecostal no Brasil esta dividida em três ondas, se os neopentecostal é a terceira onda, então temos uma onda incomum, uma tsunami que não foi gerada por distúrbio sísmicos, mais de uma “eisegese” luciferiana usada pela primeira vez no deserto para tentar a Cristo.
Onde a Bíblia deixou de ser a palavra de Deus e passou a conter a palavra e já não é ela que ensina a igreja e sim a igreja que ensina a Bíblia, esta mudança de valores encheu muitos bolsos com outro tipos de valores $$$ e eles estão “prospe-rindo” com a força de uma geração que amanhã vai estar chamando a graça de desgraça.
A ênfase não é mais adorar a Deus pelo o que Ele é e sim pelo o que ele tem, até mesmo por que muito não sabem o que Ele tem, pensam que Ele tem uma agência de anjo moto boy prontos para entregar qual quer benção em no máximo 30 minutos, além da obrigação de os tornar imuni de pobreza, doenças, luto e aflições.
Esse tipo de teologia gerou um Deus utilitário, que recebe ordens de seus servos, é como se os marinheiros colocassem o seu captão em um porão para a tarefa de descascar batatas e assumissem o seu posto, mal sabem que servos no grego “ doulos” significa escravo, o verdadeiro estado de hierarquia o qual estamos, já Deus, permanece Soberano.
por Alan Corrêa (@opoiema)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.