12 de set de 2011

Edir Macedo tira onda de apologista e esculacha pentecostais


Por Leonardo Gonçalves
Era só o que faltava!
Edir Macedo, talvez o maior apóstata da igreja brasileira, o cara que construiu um império religioso por meio do sincretismo, isto é, mesclando práticas do cristianismo com crenças pagãs, geralmente importadas do candomblé, da macumba e da umbanda, tais como o sal grosso, os banhos de arruda, o uso da rosa branca, sem falar na famigerada “sexta-feira forte” e na “sessão do descarrego” (plágiando descaradamente a macumba, religião afro-brasileira), pioneiro nas entrevistas com demônios… Sim, ele mesmo, o bispo Edir Macedo, o maior propagador da macumba-gospel no cenário tupiniquim, postou em seu blog um texto e um vídeo, no qual denuncia as igrejas pentecostais por endossar práticas semelhantes às da macumba. Assista: 
Tenho que admitir: Macedo tem razão! Realmente, muitas práticas do pentecostalismo são cópia fiel dos cultos afro-brasileiros. Aliás, talvez a maior prova de que os movimentos de extase dos cultos pentecostais brasileiros são um reflexo da cultura afro-religiosa, é o fato dos pentecostais em diferentes partes do mundo não repetirem os mesmos movimentos, mesmo sob (suposta) influencia do (mesmo) Espírito Santo. Sim, pois visitei igrejas pentecostais em diversos países da América Latina, o suficiente para constatar que o tal “reteté” só ocorre em igrejas brasileiras, ou quando muito, em igrejas sob influencias de brasileiros, como é o caso de algumas igrejas fundadas por missionários pentecostais, os quais levam sua cultura religiosa — i.e. reteté — ao novo país, muitas vezes exigindo que os crentes se comportem como os crentes do seu país de origem, dando “liberdade” ao Espírito, o que para eles equiva a imitar os movimentos do pastor, berrar, rodopiar feito peão, marchar como soldadinho e repetir as expressoes corporais usadas no país de origem do missionário, um trágico exemplo da falta de contextualização missionária.
Mas voltemos ao picaretólogo Edir Macedo: Se por um lado concordamos que o culto pentecostal sofreu influência liturgica das religioes afro-brasileiras, por outro lado: QUEM EDIR MACEDO PENSA QUE É PARA PAGAR DE APOLOGISTA E FALAR MAL DA MACUMBA? Ah, vá lamber sabão! O cara ficou milionário e construiu um império imitando a macumba, candomblé, umbanda, etc., sendo ele mesmo o pioneiro na arte de sincretizar o culto dos Exús, Orixás, Caboclos e guias. Sem contar que Macedo foi o primeiro pastor de grande expressão a catalogar os demônios de acordo com os nomes que eles recebiam na macumba, endossando seu panetão! Quem é Edir Macedo para acusar qualquer igreja de sincretizar com as práticas da macumba? Ninguém! Absolutamente ninguém!
Livro de autoria do bispo Macedo é o primeiro escrito evangélico a reconhecer a nomeclatura atribuida aos espíritos nos cultos africanos
Edir Macedo é um macumbeiro gospel! E não só isso, mas é também o pioneiro na arte da “Boa-Cumba”, a macumba “evangélica”, igualmente má, pois distorce e oculta o verdadeiro evangelho. Por isso, Edir não tem cacife para falar do movimento pentecostal, o qual, apesar dos excessos registrados em vídeo, tem uma história dentro do movimento evangélico brasileiro, sendo praticamente a única denominação a ter presença semi-absoluta nos rincoes mais remotos do país, em meio aos favelados, excluídos, e vitimados pelas mazelas sociais. Além disso, o movimento pentecostal ainda abriga em seu seio apologistas e teólogos de vida consagrada, homens de Deus de distintas geraçoes, como o pastor Antônio Gilberto, Ezequias Soares, Elienai Cabral, e o pastor Geremias do Couto, o qual além de pastor e escritor, é blogueiro.
(E este zelo doutrinário nao está confinado àqueles, mas também está presente nas novas geraçoes: Cesar Moisés, Esdras Costa, Silas Daniel, Altair Germano e por que nao mencionar o Gutierres Siqueira, editor de um dos maiores blogs de cunho pentecostal)
Não escrevo estas notas com intenção de ocultar a miséria espiritual travestida de pentecostes que está se instalando no seio da Assembléia de Deus. As denuncias deste blog contra o movimento dos Gideoes Missionários da Última Hora, os pastores Marco Feliciano eSilas Malafaia, os cultos de reteté e os escândalos administrativos, simplesmente falam por si. Jamais deixei de protestar contra o circo gospel que está sendo armado no movimento pentecostal, tendo a Assembléia de Deus como protagonista do espetáculo e pastores vendidos à teologia da prosperidade como mestres de cerimônia. No entanto, creio que apesar dos problemas atuais, o movimento pentecostal não pode ser generalizado, pois existe muita gente correta, pastores sinceros e piedosos, os quais precisamos distinguir. Agora, já o neopentecostalismo brasileiro, esse já foi ladeira abaixo faz tempo! Ele é simplesmente irreversível! Discorda? Então, diga por favor quem podemos resgatar do movimento neopentecostal? Edir Macedo? Ora, me poupe! Renê Terra Nova? Deus tenha piedade! RR Soares? Só pode ser brincadeira! Estevam e Sônia? Nem em sonhos! Valdemiro Santiago? Valha-me Deus!
Concluindo: O movimento pentecostal, apesar de abrigar tantos descalabros liturgicos em seu seio (como as práticas exibidas nos vídeos, as quais realmente são vergonhosas e revelam um grande grau de sincretismo religioso), merece nosso respeito pelo trabalho que tem desenvolvido ao longo de um século, muitas vezes priorizando os excluídos e indo onde outras denominaçoes não se atreveram a ir. Além disso, ainda podemos encontrar dentro do movimento pentecostal teólogos respeitados dentro e fora dos limites de suas denominaçoes, bem como pastores sérios e honrados que não se vendem às práticas pagas do seu tempo.
Agora, já na IURD… Ah, fião: O último que sair apague a luz e aperte o botao de detonação!
***
Fonte: Púlpito Cristão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.