7 de nov de 2011

A igreja, modismos e a degradação espiritual


Está muito claro a queda moral e até mesmo espiritual da nossa Igreja nos últimos anos. O modismo toma conta dos nossos cultos e o TER é maior que o SER no coração de nossos líderes. Claro, não sou leviano de achar que são todos, tem muita gente de coração aberto ao verdadeiro Evangelho, no entanto, infelizmente, os maus exemplos sobrepujam os bons.

Jesus Cristo está se tornando apenas um mero coadjuvante nesses SHOWS religiosos. A atração principal é o cantor "fulano" ou a pregadora "ciclana". Sim, devemos honrar aqueles que honram o nome do nosso Senhor. Mas, o que muitas vezes chega a acontecer é uma idolatria a essas pessoas. Alguns pagam caro para ir a algum evento só para ver "fulano" ou "ciclano" e não para presenciar a manifestação do Cristo vivo naquela vida. São cegadas pela idolatria e quando o líder vai para um caminho errado, esses fiéis idólatras o seguem para o abismo.

Cartazes, panfletos e uma vez ou outra comerciais de TV com a "cara grande" dos artistas da fé. Não sei se é proposital, acredito (na minha boa fé) que não, mas deixam transparecer que Cristo ali não é bem vindo.


Sem contar esses programas de TV que pagam milhões e milhões para entrarem no ar enquanto missionários estão espalhados pelo globo e muitas vezes passando fome, mas não deixam de pregar o Evangelho.

Aliás, milhões que poderiam ajudar as pessoas, cristãs ou não, afinal, o amor e caridade são marcas do verdadeiro Evangelho. Enquanto os pastores viajam de jatinhos, moram em verdadeiros palácios ou comem do bom e do melhor, suas ovelhas padecem de necessidades básicas. Esse evangelho, eu rejeito.

Existe uma ignorância em nosso meio ao confundir caridade com algo ligado ao espiritismo, talvez, esses preconceituosos, devam ler melhor a Bíblia ou se converter verdadeiramente.

Ah sim, também vejo surgindo com frequência essas pseudos teologias. Como por exemplo: teologia da prosperidade. Pelo amor de Jeovah! Isso é apenas um evangelho deturpado. Barganhar com Deus não é a maneira certa de servir ao Senhor.

Outra coisa que me incomoda é essa mania de: Geração de Daniel; Geração de Samuel, ou a mais recente Geração Apostólica. É interessante essa dinâmica, digamos, de aprendizagem. É válido, mas como vi muitas vezes isso acaba tomando um rumo errado, apesar do respeito aos homens bíblicos, que construíram a história da nossa fé, o nosso alvo é Cristo e que eu me lembre nunca vi uma Geração de Cristo sendo pregada por aí.

E por falar em apóstolo, ainda não entendi esse movimento que mais parece ser egocêntrico do que realmente algo que vá engrandecer o Reino de Deus. Um termo que ficou enterrado com os apóstolos primordiais por séculos agora ressuscitado por engravatados, que em vez de serem enviados ficam se protegendo atrás das suas mesinhas, com a porta do escritório trancada e com uma secretária a tira-colo. Que apóstolos são esses?

Para fazer seguir e proclamar o verdadeiro Evangelho os homens não precisam de títulos garbosos, aparecerem na televisão ou moldar uma igreja a sua imagem e semelhança. Costumo dizer que de tão simples o Evangelho, o ser humano resolveu complicá-lo. Essa sim é uma Geração Judas Iscariotes, vendendo Cristo por ambições pessoais.

Nos cabe oração, amor verdadeiro a Cristo e atenção ao máximo para não sermos presas fáceis desses lobos que se escondem no rebanho de Nosso Senhor Jesus Cristo.



Fonte: Crônicas do Vox

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.