19 de nov de 2011

O que observamos hoje ?



Ora ou outra, em minhas reflexões, lembro-me da pregação de David Wilkerson sobre os símbolos e analogias de Apocalipse, dentre eles a ‘Babilônia’ e a ‘Grande Prostituta’. Que segundo o estudo do reverendo (veja aqui), seriam símbolos de um mesmo objeto: a igreja iníqua. Um espirito de corrupção dentro da Igreja Cristã, que se vende aos prazeres e valores deste mundo, que adota o sincretismo religioso como meio de crescimento, que usa de influencias politicas e financeiras para seu próprio favorecimento. E quanto a isso, e com total a razão, foram as principais acusações que a Reforma Protestante levantou contra a Igreja Romana, tirando as questões teológicas que necessariamente se desenvolveram. Contudo, com o tempo, tanto certas igrejas protestantes tradicionais, quanto inúmeras recentes evangélicas, cometem o retrocesso ao praticarem os mesmos erros daqueles que os antecederam, os quais condenam. Os pecados são os mesmos, os pensamentos são iguais, mas apenas se dão nomes e bandeiras diferentes à mesmíssima impiedade.
O que observamos hoje no cenário daquilo que denomina-se cristianismo? Vemos inúmeros líderes religiosos e denominações ensinando que as riquezas desde mundo são direito e sinônimo da salvação aos fiéis. Contudo, deste tal “direito de prosperidade” vê-se apenas os próprios pregadores usufruindo, vivendo em mansões, com carros de luxo, jatos particulares, iates, concessões de TV e rádio, casas em miami, contas bancárias em paraísos fiscais, e com tudo do bom e do melhor. Enquanto a maioria absoluta dos fiéis que frequentam as suas igrejas, vivem com uma renda mensal menor do que mil reais, da qual tem tirar pelo menos 10% para financiar a boa vida dos “ungidos de deus”, se locomovem de ônibus até ao local de culto, e por vezes nem uma simples casa própria possuem. Isso mostra uma igreja repugnamente contaminada pelos valores e objetivos de uma sociedade capitalista. Totalmente o oposto da simples Igreja descrita no livro de Atos dos Apóstolos, em que todas as necessidades eram supridas em comum.
O que observamos hoje no cenário daquilo que denomina-se Igreja? Vemos inúmeros líderes religiosos autoritários, que se autodenominam “ungidos de deus”, de modo a serem “intocáveis”; que se comportam como astros do pop, de modo a viverem isolados do povo (a “ralé”). Contudo destes vem o seu enriquecimento, e quando também exigem à sua própria adoração – o que chamam de “temor às autoridades de deus”. Isto é, adoração de ídolos vivos. Coisa comum na cultura pop contemporânea. Totalmente o oposto da Igreja dos apóstolos, os quais estavam sempre no meio do povo, servindo ao povo, fazendo sempre questão de mostrar que eles eram tão humanos e falhos quanto aos demais.
O que observamos hoje no cenário daquilo que denomina-se corpo de Cristo? Vemos denominações cristãs apelando ao sincretismo, ao adotarem pensamentos, doutrinas e rituais de outras religiões. Justificando isso com versículos soltos da Bíblia claramente fora de contexto. Como infelizmente ouve-se: “Dê uma oferta [oferenda] para deus, e ele te dará algo em troca”; “Cair no chão é cair na unção”; “A mulher tem que se calar diante de seu marido”; “Olho gordo pode atingir a sua vida irmão”; E outros absurdos descabíveis que encontram-se bem definidos em diversas crenças religiosas não-cristãs. Isto quando não há a veneração de objetos dito consagrados e ungidos. Totalmente o oposto da Igreja primitiva, onde se mantia o restrito cuidado de permanecer apenas na doutrina de Cristo, basta ler as cartas dos apóstolos, ver como os mesmo orientavam e advertiam sobre tais coisas.
O que observamos hoje no cenário daquilo que denomina-se povo de Deus? Vemos uma Igreja que cada vez mais adere e sujeita-se à cultura e às pressões seculares. Denominações cristãs que aceitam o homossexualismo como algo normal, apenas porque o pensamento contemporâneo aceita e incentiva. Outras que fazem shows, eventos e marchas à imagem e semelhança das acontecem no meio não-cristão. Contudo, sempre no enfoque do título hipócrita: gospel! Isso quando não cobram ingresso dos fiéis para adorarem a deus (Mamom) com os artistas do meio evangélico. Outras ainda que permitem que seus púlpitos deem lugar à campanhas políticas, de candidatos que às vezes nem são cristãos, mesmo havendo lei que proíbe propaganda política em lugares de culto religioso em nosso país. Isso quando não os candidatos são os próprios pastores. Sem dizer aquelas, que descaradamente associam o nome da própria denominação a empresas ditas evangélicas (editoras, gravadoras, canais de TV, etc.), para gerar volumosas receitas e facilitar a lavagem de dinheiro dos seus proprietários – que na maioria são os próprios líderes. Totalmente o oposto da Igreja dos primeiros séculos, que refutava os valores da sociedade humana corrompida, pela falta de amor fraterno entre os seus, conforme deixa relatado Paulo: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12.2).
De fato, a igreja meretriz descrita por João, assentada sobre a besta, está mais ativa do que nunca, influente, rica e poderosa. Enriquecendo não apenas os líderes que dela emergem, mas também os grandes empresários e políticos deste mundo, agradando aos que tem poder. Como cita ainda João: “…A mulher que você viu é a grande cidade [Babilônia] que reina sobre os reis da terra.” (Apocalipse 17.18) Pois além disso, a alienação religiosa que é pregada nos cultos, numa espécie de “pão e circo”, também serve de cabresto ao povo. Mas não se engane, ainda há pessoas de Deus neste mundo, isto é a Igreja de Cristo, que não tem nome ou placa, mas são pessoas! Assim como no passado, Deus revelou a Elias que haviam 7 mil pessoas que não se dobraram diante Baal, também hoje há cristãos verdadeiros que não se deixaram corromper, que aguardam ansiosamente o retorno do Jesus e a destruição de toda essa prostituição. Quanto aos demais, assim diz a palavra do Senhor: “Saiam dela, vocês, povo meu, para que vocês não participem dos seus pecados, para que as pragas que vão cair sobre ela não os atinjam! Pois os pecados da Babilônia acumularam-se até o céu, e Deus se lembrou dos seus crimes.” (Apocalipse 18.4-5).

Graça e paz,




Fonte: Giovani Mariani
Via: Exemplo Bereano

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.