9 de nov de 2011

Um conto evangélico

Acordei esta manhã e fiz minha prece gospel, liguei o som e botei um cd de punk-rock gospel enquanto colocava minha vestimenta gospel. Então saí para dar um rolê gospel.

Na banca de jornal comprei uma revista de fofocas gospel, e fui lendo enquanto viajava de ônibus até o centro da cidade, onde teria uma “parada” gospel com uns amigos skatistas. Parei de ler quando reparei em uma mina gospel, muito gatinha, de calça e mini-blusa gospel. Comecei ali mesmo no buzão uma paquera gospel e perguntei à brotinha gospel se queria ficar comigo. Ela, como “ficante” gospel topou. Convidei-a então para tomarmos um drink gospel em um barzinho gospel super badalado que conheço.

Depois fomos a um cinema gospel, onde no escurinho podia então dar uns amassos gospel nela. Mão gospel boba pra cá, mão gospel boba pra lá, estávamos a mil. Então depois do cine resolvemos ir até uma balada gospel descarregar nossa adrenalina toda em uma danceteria gospel.

Yeah! Demais!

Escureceu e não deixei ela ir pra casa. Convenci-a que sendo eu um cara gospel, não iria só “ficar” com ela, mas que logo-logo assumiria um namoro gospel. E com base nessa promessa a convenci a esticarmos nosso programa gospel, levando-a até um hotel gospel onde fizemos um amorzinho gospel.

A Acompanhei depois até em casa, e ela me convidou para entrar. Conheci seus pais, crentes liberais, não muito gospel, mas gente-fina! Subimos até o seu quarto pois ela queria me mostrar seu cantinho gospel. Notei nas paredes pôsteres de seus artistas gospel preferidos e ela mostrou-me sua coleção de cds de reggae gospel, rap gospel e música eletrônica gospel. Enquanto ela foi até o banheiro, dei uma lida em seu diário gospel e vi que ela registrava todas as suas aventuras gospel com os carinhas gospel que conhecia. Fiquei imaginando que o meu nome e o que eu fizesse, preencheria as próximas páginas daquele caderno gospel.

Ficamos conversando até tarde e ela convidou-me a dormir na casa dela. Liguei pra minha mãe para avisar e ela embaçou na minha, porque não é gospel, é cristã caretona. Gastei saliva para conseguir sua aprovação, garantindo que a noite seria completamente gospel e tranqüilizei-a. Trancamos a porta do quarto, acendemos um baseado gospel, curtimos uma viagem gospel em nossos delírios e depois fomos dormir, ela de roupa íntima gospel e eu, uma vez que não tinha outra roupa na mochila, fui pra cama só de cuecão gospel mesmo. De madrugada acordei e vomitei um pouco, o que, despertou-a . Então ligamos o chuveiro e tomamos um banho gospel quentinho. Carícia gospel pra cá, carícia gospel pra lá, não preciso dizer que acabamos fazendo um “sexozinho” gospel novamente. Que delícia!

Adoro esse negócio de ser gospel. Coitados dos meus pais cristãos e de meu irmão cristão mais velho… na época deles não existia ainda esse estilo de vida gospel com total liberdade. Faço o que quero, sem problemas, afinal se é gospel pode!

De fim-de-semana, enquanto meus pais vão na igreja, eu vou pro “louvorzão” e aos points gospel com meus gospel friends. Cada um na sua!

Minha mina é gospel, meus programas, o que compro, o que consumo, tudo é gospel, logo, não estou pecando certo? Afinal de contas eu sou jovem e tenho que aproveitar a vida!


Fonte: Ricardo Miranda em “Fred e Edmundo” um conto evangélico

Via: Libertos do Opressor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.