22 de dez de 2011

A jornada triunfal de um homem de Deus


INTRODUÇÃO
A nação de Israel dava passos largos e resolutos para o caos. Seus 19 reis foram todos ímpios. As oito dinastias foram uma sucessão de ambição, idolatria, traições e assassinatos.
Acabe começa a reinar e se não bastasse ser o pior rei, ainda se casa com a pior mulher do mundo: mandona, idólatra e assassina. Acabe se torna apenas um boneco em suas mãos.
Nesse cenário de perversão e apostasia é que surge Elias. Vejamos a escalada desse homem de Deus:
I. DEBAIXO DOS HOLOFOTES – NA CORTE REAL – 17:1
A mensagem – Elias surge com uma mensagem curta, contundente, bombástica e direta: Não vai chover nos próximos três anos. A credibilidade de Baal estará em baixa. Vou provar que esse ídolo não tem poder.
O nome – Elias é a resposta para a apostasia da nação. Para o povo que havia seguido a Baal, Elias significa “Jeová é o meu Deus”.
A origem de Elias é um golpe no orgulho dos poderosos. Ele vem de Tisbé, um lugar obscuro, desconhecido. Ele vem de lugar nenhum. Ele é um ilustre desconhecido, sem títulos, sem projeção humana. Ele não é um figurão. Deus não precisa de estrelas para fazer a sua obra.
A vida – Sua vida referenda seu ministério – ele vive na presença de Deus. Ele conhece a Deus. Ele tem intimidade com Deus.
II. ESCONDIDO DA MULTIDÃO – NO RIBEIRO DE QUERITE – 17:2-5
O método de Deus: A solidão do profeta – Deus tira Elias do palco, das luzes da ribalta, debaixo dos holofotes e envia-o para um lugar solitário, no esconderijo da solidão, para conviver apenas com os corvos. Deus queria proteger Elias e treiná-lo para uma grande obra. Para prevalecer em público é preciso ser treinado em secreto. Antes de Deus trabalhar através de nós, Deus precisa trabalhar em nós.
A obediência de Elias: Aprendendo a estar a sós com Deus – Elias não discute com Deus. Ele prontamente obedece. A sua agenda é a agenda de Deus. A sua prioridade é estar no centro da vontade Deus. Deus é mais importante do que a sua obra. Antes de fazer a obra de Deus precisamos conhecer a intimidade de Deus. Deus não quer ativismo. Ele quer nos treinar e nos capacitar para grandes aventuras.
Querite secou: Aprendendo a confiar em Deus – É fácil confiar em Deus quando a água do ribeiro está jorrando. O nosso ribeiro seca quando passamos pela prova na vida, no casamento, nas finanças, na saúde, nas amizades. O que fazer nessas horas? 1) O Deus que dá a água pode reter a água – Quando o nosso ribeiro seca precisamos entender que Deus está vivo e bem e que ele sabe o que está fazendo. Nosso nome está escrito na palma da sua mão. 2) O ribeiro seco era resultado da própria oração de Elias – As orações de Elias estavam sendo respondidas. Deus está nos treinando para a maturidade. O projeto de Deus é fazer de Elias um homem de Deus.
Lições de Querite: A pedagogia de Deus – 1) Precisamos entender o valor de ser usados em público e sermos treinados em secreto; 2) A direção de Deus inclui a provisão de Deus; 3) Precisamos aprender a confiar em Deus dia pós dia.
III. NO MOINHO DE DEUS – EM SAREPTA – 17:8-10
Refinado por Deus: ele está burilando a sua jóia – A palavra “Sarepta” significa fundir ou refinar. Sarepta quer dizer cadinho. Primeiro Deus levou Elias a Querite para ele se desacostumar dos holofes. Agora Deus aumenta o fogo da fornalha para derretê-lo e moldá-lo. A fornalha apenas consome as impurezas enquanto purifica o ouro.
Deus está no controle: Seu plano é perfeito – 1) Deus sabe onde Elias está (v. 8) – Não julgue que Deus o esqueceu, ou que Deus o abandonou. Foi ele quem o enviou a Querite. Ele sabe que a fonte secou. Ele sabe onde você está e o que está acontecendo com você. 2) Deus sabe aonde Elias está indo (v. 9) – Sarepta fica a 150 Km de Querite. Elias tinha que cruzar o território de Israel. Ele era uma espécie de foragido da justiça. Era o homem mais procurado: vivo ou morto. Para sair da solidão, e cruzar os campos e cidades, ele tinha que confiar em Deus. 3) Deus sabe a provisão que Elias vai ter (v. 9) – Essa é uma lição de humildade, ser sustentado por uma viúva pobre, faminta, à beira da morte. Elias foi a Sarepta esperando um pouco mais de provisão do que em Querite. Talvez ele não viesse a morrer de sede, mas parecia que ia ter uma fome de matar. Quase que Elias foi derrrotado pela primeira impressão. Você já sentiu vontade de mudar de emprego, mudar de igreja? 4) Quando estamos no lugar que Deus mandou, no tempo de Deus, nunca teremos falta da provisão de Deus (v. 16) – Nossa obediência precede a provisão. A viúva de Sarepta conheceu a Deus na cozinha.
Antes do milagre as coisas tendem a pior e muito – A viúva não era apenas pobre, mas agora está de luto. Seu único morre e ela coloca a culpa em Elias (v. 18). Elis fica em silêncio. Ela não se defende. Ele respeita a dor daquela mãe. Ele apenas pede para ela para colocar em seus braços o menino. Ele se desabafa com Deus (v. 19-20). Elias tem um lugar secreto de oração. Ele tem um lugar onde tem audiência com o céu. Elias se identifica com o menino morto (v. 21). Elias crê no impossível e o milagre acontece (v. 22). A mulher dá testemunho que ele é um homem de Deus (v. 24). A Palavra de Deus tem sido verdade em nossa boca?
IV. NA BATALHA DOS DEUSES – NO CARMELO – 18:1-2,19
Depois do treinamento, é tempo da ação – Elias é enviado de volta a Acabe, depois dos três anos e meio de seca. Antes Deus o mandou se esconder. Agora Deus fala: Mostre-se. Elias confronta o rei (v. 18), confronta o povo (v, 21) e confronta os profetas de Baal (v. 19,27). Alguém perguntou, certa feita para Alexandre, o grande: “Porque você conquistou o mundo todo? Porque eu não deixei essa decisão para depois”. Se o Cristianismo é um mito, abandonemo-lo. Se a Bíblia não é a verdade, queimemo-la. Se Jesus Cristo não é o Salvador, rejeitemo-lo, mas se ele é a nossa única esperança, voltemo-nos para ele de todo o nosso coração. Precisamos de crentes hoje que tenham coragem de viver em santidade e confrontar o pecado. O carmelo foi a batalha dos deuses. O Deus vivo desmantelou os ídolos de Baal. Os ídolos dos povos são nulos.
Antes de Deus se manifestar é preciso restaurar o altar que está em ruínas – O altar da oração, o altar da comunhão e o altar da fidelidade estavam em ruínas. Se queremos ver a manifestação de Deus, precisamos restaurar esse altar.
Quando o fogo do céu cai sobre o povo, o povo cai de joelhos (18:38-39) – Temos perdido a expectativa do sobrenatural. O nosso Deus está assentado no trono. Quando Deus se manifesta e o fogo de Deus desce do céu, o povo cai de joelhos. Até os mais céticos receberam uma prova de que Deus é real. Mas o maior de todos os milagres aconteceu no MONTE DO CALVÁRIO. Ali Jesus deu a sua vida por nós. Ali o sol cobriu o seu rosto. Ali as pedras partiram-se. Ali os túmulos foram abertos. Ali a porta do céu se abriu para os pecadores arrependidos.
O Elias que é exaltado diante dos homens, humilha-se diante de Deus – Ele sobe ao cume do carmelo não para ver os outros de cima para baixo, mas para orar humildemente, perseverantemente, vitoriosamente. Deus é o avalista da sua própria Palavra. O que ele promete, ele cumpre. Elias orou e os céus se prorromperam em abundantes chuvas.
Lições do Carmelo – 1) Quando temos a certeza de que estamos no centro da vontade de Deus somos invencíveis; 2) Obediência dividida é tão errada quanto idolatria declarada; 3) Quando Deus se manifesta através da oração dos seus servos, o povo se quebranta.

V. NA CAVERNA DA DEPRESSÃO – NO DESERTO – 19:9
Cuidado com a ressaca de uma grande vitória – Depois da retumbante vitória do Carmelo, quando Elias prevaleceu diante dos homens e diante de Deus, ele fragilizou-se e temeu e fugiu. Depois da vitória corremos o risco de baixar a guarda, arrear as armas e nos tornamos vulneráveis. As vitórias de ontem não são garantias de sucesso hoje.
Cuidado com as garras da depressão – O gigante de Deus está exausto, deprimido e pedindo para morrer. Por que? 1) Porque seus pensamentos estão confusos (19:2-3) – A ameaça não vem de Deus, mas de Jezabel. Elias já sabia que Deus é quem está no controle; 2) Porque ele se afasta dos relacionamentos encorajadores (19:3b) – A solidão não é um bom remédio para quem está deprimido; 3) Porque ele estava fisica e emocionalmente exausto (19:4-5) – O tratamento de Deus a Elias foi à base da sonoterapia e de uma boa alimentação; 4) Porque Elias se rendeu à autopiedade (19:4,9) – Deus trata de Elias dando a ele a oportunidade de desabafar e mostrando para ele que ele não apenas não estava sozinho como também o seu ministério ainda não tinha chegado ao fim. Elias tinha que ungir um rei no lugar de Acabe e um profeta em seu próprio lugar. A vida continua e Deus tem coisas maiores para realizar por nosso intermédio.
VI. NO GLORIOSO ARREBATAMENTO – NO JORDÃO – 2 Reis 2:6-12
Do anonimato à glória mais explêndida – Na corte de Acabe, Elias foi boca de Deus; em Querite foi quebrantado por Deus; em Sarepta foi lapidado por Deus; no Carmelo foi usado por Deus; na caverna foi restaurado; mas, no Jordão foi arrebatado por Deus. Antes de passar pelo Jordão, ele passou por Gilgal o lugar da salvação; por Betel o lugar da oração e também, por Jericó, o lugar da batalha. Mas depois chegou no Jordão, o lugar do arrebatamento. Elias é um símbolo do precursor de Jesus e do próprio Jesus. João Batista veio na força e no espírito de Elias. Quando Jesus perguntou: “Quem diz o povo ser o Filho do Homem? E eles responderam: Uns dizem: João Batista; outros: Elias; e outros: Jeremias ou algum dos profetas” (Mt 16:13-14). Quando Jesus apareceu em glória no monte da Transfiguração, Elias apareceu em glória juntamente com Moisés para falar com ele sobre sua partida para Jerusalém (Mt 17:3). Elias foi arrebatado ao céu sem experimentar a morte. Em toda a história da humanidade, somente Enoque e ele não passaram pela morte.
O arrebatamento de Elias é um prenúncio de glória para a igreja de Cristo – Um dia também, todos nós que cremos em Cristo, seremos arrebatados para encontrar o Senhor nos ares. Aqueles dormiram em Cristo, ressuscitarão com um corpo imortal, glorioso, poderoso e celestial. Os que estiverem vivos serão transformados e arrebatados para encontrar o Senhor nos ares e assim estaremos para sempre com o Senhor.
CONCLUSÃO
Você tem andado na presença de Deus como Elias? Tem se sujeitado ao tratamento de Deus? Tem aprendido a depender de Deus? Tem passado pelo cadinho de Deus? Tem tido coragem para confrontar o pecado? Tem recebido a cura para os seus próprios medos? Tem a certeza de muito em breve cruzaremos o nosso jordão e seremos levados para o céu?
Que Deus nos ajude a conhecer a Deus e a andar com Deus como Elias andou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.