11 de jan de 2012

Levítico

Publicado originalmente no site Mantenedor da Fé 

O livro de Levítico é um dos menos compreendidos no meio cristão. A verdade é que muitos até leem este livro, mas poucos o compreendem. O grande problema na leitura deste livro é que muitos não sabem que ele é um livro bastante técnico, voltado principalmente para os sacerdotes do antigo Israel e que, caso não conheçamos o contexto, torna a leitura algo bastante incompreensível.

Nome do Livro:

O nome utilizado em português, seguindo o padrão dos outros livros do Pentateuco, surgiu exatamente do nome constante na versão em Latim que é uma tradução do termo Leuitikon(Λευιτικόν ) utilizado na Septuaginta (LXX).
No hebraico o nome do livro é diferente. Seguindo o padrão dos outros livros do Torah, o nome deste livro é derivado da primeira palavra que aparece em seu texto e seria: wayyiaqrã(והוא נקרא ) que significa “e ele chamou”. Também são utilizados os títulos:
1)      O livro dos Sacerdotes
2)      A Lei dos Sacerdotes
3)      A Lei das Ofertas
O título da Septuaginta se aplica muito bem ao contexto do livro que trata dos assuntos sacerdotais (assuntos levíticos), bem como os títulos alternativos do Hebraico também representam bem o contexto, já o título principal em Hebraico não retrata tão bem o contexto do livro e simplesmente segue a tradição da primeira palavra.

Levitas:

Como este livro é dedicado aos Levitas e aos trabalhos Sacerdotais, é interessante notarmos quem eram os Levitas e quais eram suas obrigações.
Antes de qualquer coisa é importante ressaltar que,salvo algum caso de descendente direto da tribo de Levi, não existem levitas no meio cristão. A palavra levita é o distintivo dos descendentes de Levi. Assim como chamamos de Brasileiros os que são nascidos no Brasil, Espanhóis os que são da Espanha, Pereiras os de sobrenome Pereira, Souzas os de sobrenome Souza…
Note que mesmo que eu faça um mesmo trabalho que era desenvolvido por alguém com o sobrenome SILVA, eu não serei um SILVA porque meu sobrenome não é SILVA. Este é o mesmo princípio da nomenclatura Levita.
Ocorre que na formação do povo de Israel, Deus separou uma das tribos para não terem terras, não terem heranças, não possuírem bens ou qualquer propriedade, bem como não plantavam, não colhiam, não cuidavam do gado nem das construções ou das batalhas. Eram eles dedicados exclusivamente a obra sacerdotal e esta tribo foi a tribo de Levi. Levitas são os descendentes de Levi e por tal deveriam ser pessoas dedicadas exclusivamente à obra de Deus, intercessores entre o povo e Deus e representantes de Deus para falar com o povo.
Lembrem-se que naquela época o Espírito Santo ainda não havia sido derramado sobre a Terra e por este motivo não falava diretamente a cada um daqueles que eram do Senhor. Também naquela época ainda não havia a redenção em Jesus Cristo e por este motivo era necessário muitos sacrifícios de animais e obras de santificação para que o povo continuasse a ser abençoado por Deus. O mecanismo de ação do passado tinha que envolver uma série de homens dedicados exclusivamente para o trabalho na casa de Deus para cumprir todos os ensinamentos e leis do antigo Torah (Pentateuco – Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio).
Por isto lemos no livro de Números o seguinte texto:
Números 18:21-23 E eis que aos filhos de Levi [levitas] tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação. E nunca mais os filhos de Israel se chegarão à tenda da congregação, para que não levem sobre si o pecado e morram. Mas os levitas executarão o ministério da tenda da congregação, e eles levarão sobre si a sua iniqüidade; pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão,
Não existe nada na Bíblia que ensine que Levita era o responsável pelo ministério de música em Israel. Eles eram responsáveis por todo o trabalho do Templo (a princípio no Tabernáculo) e também como Sacerdotes nas Sinagogas. Como tal eles dirigiam as reuniões, faziam os sacrifícios no altar, levavam as iniquidades do povo perante Deus, ouviam de Deus o que Ele queria falar e transmitiam ao povo as Palavras do Senhor. Quanto as músicas, até poderiam participar e em alguns casos dirigi-las, mas não era a atividade principal da tribo de Levi. Talvez a correlação atual seja por causa dos Shoffar que eles tocavam, se este for o caso, esta correlação é pífia, pois o Shoffar era apenas a forma antiga dos sinos das igrejas e dos sistemas de auto-falantes com os quais os sacerdotes atuais chamam o povo para o início das celebrações.

Propósito do livro:

O livro de Levítico é o manual para os sacerdotes desempenharem bem as suas funções. O tema principal do livro é exatamente a Santidade de Deus, destacada em especial em:
Levítico 11:44-45 Porque eu sou o SENHOR vosso Deus; portanto vós vos santificareis, e sereis santos, porque eu sou santo; e não vos contaminareis com nenhum réptil que se arrasta sobre a terra; | Porque eu sou o SENHOR, que vos fiz subir da terra do Egito, para que eu seja vosso Deus, e para que sejais santos; porque eu sou santo.
Levítico 19:2 Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e dize-lhes: Santos sereis, porque eu, o SENHOR vosso Deus, sou santo.
Levítico 20:7-26 Portanto santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o SENHOR vosso Deus. | E guardai os meus estatutos, e cumpri-os. Eu sou o SENHOR que vos santifica. | Quando um homem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente morrerá; amaldiçoou a seu pai ou a sua mãe; o seu sangue será sobre ele. | Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera. | E o homem que se deitar com a mulher de seu pai descobriu a nudez de seu pai; ambos certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. | Semelhantemente, quando um homem se deitar com a sua nora, ambos certamente morrerão; fizeram confusão; o seu sangue será sobre eles. | Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. |  E, quando um homem tomar uma mulher e a sua mãe, maldade é; a ele e a elas queimarão com fogo, para que não haja maldade no meio de vós. | Quando também um homem se deitar com um animal, certamente morrerá; e matareis o animal. | Também a mulher que se chegar a algum animal, para ajuntar-se com ele, aquela mulher matarás bem assim como o animal; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. | E, quando um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e vir a nudez dela, e ela a sua, torpeza é; portanto serão extirpados aos olhos dos filhos do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã, levará sobre si a sua iniqüidade. | E, quando um homem se deitar com uma mulher no tempo da sua enfermidade, e descobrir a sua nudez, descobrindo a sua fonte, e ela descobrir a fonte do seu sangue, ambos serão extirpados do meio do seu povo. | Também a nudez da irmã de tua mãe, ou da irmã de teu pai não descobrirás; porquanto descobriu a sua parenta, sobre si levarão a sua iniqüidade. |Quando também um homem se deitar com a sua tia descobriu a nudez de seu tio; seu pecado sobre si levarão; sem filhos morrerão. | E quando um homem tomar a mulher de seu irmão, imundícia é; a nudez de seu irmão descobriu; sem filhos ficarão. | Guardai, pois, todos os meus estatutos, e todos os meus juízos, e cumpri-os, para que não vos vomite a terra, para a qual eu vos levo para habitar nela. | E não andeis nos costumes das nações que eu expulso de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; portanto fui enfadado deles. | E a vós vos tenho dito: Em herança possuireis a sua terra, e eu a darei a vós, para a possuirdes, terra que mana leite e mel. Eu sou o SENHOR vosso Deus, que vos separei dos povos.  | Fareis, pois, diferença entre os animais limpos e imundos, e entre as aves imundas e as limpas; e as vossas almas não fareis abomináveis por causa dos animais, ou das aves, ou de tudo o que se arrasta sobre a terra; as quais coisas apartei de vós, para tê-las por imundas. | E ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo, e vos separei dos povos, para serdes meus.
Qualquer leitor consegue compreender o “refrão” destas passagens. É bastante claro que Deus está reafirmando: “sede santos, porque Eu Sou Santo”.
Este contexto além de apresentar a Santidade de Deus também é um chamado para que o povo escolhido se santifique. Este ponto é importante e atual para os dias de hoje.
Muito se fala em “avivamento” nos dias de hoje. Para um verdadeiro avivamento algumas atitudes devem ocorrer. A primeira é a busca pela leitura da Palavra de Deus. Não é a leitura de livros, artigos e comentários SOBRE a Bíblia. Devemos ler a própria Bíblia. A segunda atitude que deve ocorrer é um compromisso com uma vida de oração. Devemos orar sem cessar. Todos os dias durante todo o dia. Por último, mas não menos importante, a terceira atitude que deve ocorrer para um verdadeiro avivamento é a busca pela santidade, na qual estamos seguindo o que está prescrito por Deus neste texto que acabamos de ler.
Portanto, a Santidade é uma característica inequívoca de Deus e é uma busca constante que cada cristão deve ter em sua vida.

Regulamentação das Ofertas e Sacrifícios:

As principais leis do livro de Levítico:

Sem entrar em detalhes profundos de cada uma das leis do livro de Levítico, iremos destacar algumas e seus verdadeiros significados.
Holocausto (Levítico 1:1-17)
Esta palavra ficou conhecida mundialmente devido a Segunda Guerra Mundial, no entanto, ela era muito mais antiga e era uma das atividades desenvolvidas pelos Levitas.
O holocausto era uma oferta apresentada com a intenção de se obter o favor divino. Era sacrificado um animal macho, sem defeito. Deveria ser um bezerro, carneiro, pombo ou rola. A escolha do animal não era do seu ofertante. A escolha era devido as posses que aquela pessoa tinha. Assim, um judeu com melhores condições financeiras deveria oferecer um bezerro e um mais pobre poderia ser uma rola.
O holocausto era totalmente queimado sobre o altar e o autor de Levítico afirma categoricamente que:
Levítico 1:9 Porém a sua fressura e as suas pernas lavar-se-ão com água; e o sacerdote tudo isso queimará sobre o altar; holocausto é, oferta queimada, de cheiro suave ao SENHOR.
Oferta de Manjares (Levítico 2:1-16)
Para realizar uma ação de graças e ao mesmo tempo buscar a boa vontade divina eram apresentadas ofertas de Manjares.
Estes eram bolos salgados, sem fermento, ou de cereais. Parte da oferta era queimada e outra parte era consumida pelos sacerdotes.
É interessante notar que segundo os relatos encontrados no Talmude, esta oferta só era apresentada como sacrifício independente (sem ser combinado com qualquer outro sacrifício) e só era apresentado por pessoas extremamente pobres.
Sacrifícios pacíficos (Levítico 3:1-17 e Levítico 22:18-30)
Quando buscava-se comunhão com Deus ou gratidão a Deus eram ofertados sacrifícios pacíficos. Também quando havia um júbilo público e/ou pela desobrigação de um voto eram ofertados sacrifícios pacíficos.
A oferta deveria ser um animal, macho ou fêmea, sem defeito, de acordo com as posses do ofertante (seguindo o mesmo padrão do holocausto).
A gordura era queimada e o restante era consumido pelo Levita e pelo adorador em uma refeição de comunhão.
Oferta pelo pecado (Levítico 4:1-5 e 13)
Como Jesus ainda não havia vindo a Terra e levado sobre si todos os nossos pecados, eram necessárias as ofertas pelos pecados. Estas eram literalmente ofertadas para a purificação da pessoa.
Se fosse um Levita, ou a congregação como um todo, culpada do pecado, deveria ser oferecido um novilho.
Se o culpado fosse um príncipe, deveria ser oferecido um bode.
Se o culpado fosse um membro do povo, a oferta deveria ser de uma cabra, cordeiro, ou duas rolas ou pombos ou, ainda, certa porção de farinha, de acordo com as posses de cada um.
Parte do que era ofertado era queimado no altar e a outra parte era comida pelo Levita que estava oficializando a cerimônia.
O ofertante não consumia absolutamente nada da oferta.
Duas coisas são importantes aqui:
_ O fato do ofertante não consumir absolutamente nada da oferta representava que este não tiraria proveito algum de seu pecado.
_ O fato de ter ofertas dos mais variados valores que deveriam seguir o padrão sócio-econômico do ofertante fazia com que todos pudessem se reconciliar com Deus através de sacrifícios possíveis às suas posses.
Sacrilégio: (Levítico 5:14-19)
Sacrilégio era o ato de destruir, roubar ou causar dano às coisas sagradas. Qualquer perda no santuário deveria ser restituída e depois da restituição o indivíduo deveria ofertar um carneiro, sem defeito. A gordura do animal deveria ser queimada e o seu restante comido pelos levitas. Além da restituição e do carneiro era entregue uma multa em dinheiro que correspondia a um quinto do valor do animal.

Fim dos Sacrifícios:

Desde que Jesus veio ao mundo, viveu, foi morto e ressuscitou. Todas estas obras de sacrifícios foram suplantadas pelo grande sacrifício vicário de Jesus na cruz do Calvário.
Sobre isto é interessante ler o que o profeta Isaías falou sobre Jesus:
Isaías 53:4-7 Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. | Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. | Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. | Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.
Portanto, toda esta lei ritualística perdeu seu sentido de ser quando Jesus morreu.
A morte de Jesus foi o sacrifício final. Todos os sacrifícios tinham que ser repetidos de tempos em tempos porque o mesmo não era definitivo e não conseguia limpar o povo dos pecados futuros. Quando Jesus morreu e ressuscitou Ele limpou-nos de todos os nossos pecados e passamos a viver uma nova vida n’Ele.
Se ainda resta alguma dúvida, veja o que João, o Batista, falou quando Jesus se aproximou dele, conforme o relato encontrado no evangelho de João:
João 1:29 No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
Portanto a relação feita é bastante clara. Jesus é o Cordeiro ofertado por Deus para servir de sacrifício por nós limpando-nos de nossos pecados num sacrifício extremo e definitivo.

Preparação de Arão e seus filhos para o Sacerdócio:

Do capítulo 8 ao capítulo 10 o livro de Levítico apresenta como foi a preparação de Arão e de seus filhos para se tornarem os primeiros sacerdotes do povo de Israel.
Vale aqui um comentário sobre o sacerdócio cristão. Muitas denominações hoje em dia tem nomeado líderes e pastores sem qualquer preparação para tal. Certo é que todos somos sacerdotes através da nova aliança, também é certo que Deus, hoje em dia, fala com todos nós diretamente e não só com os descendentes de Levi. Também é certo que todos devemos estar engajados na propagação do evangelho de Jesus, na evangelização mundial e na defesa de nossa fé. No entanto, não podemos nos descuidar da preparação necessária para a consagração especial de vidas ao Sacerdócio.

Limpos e Impuros

De Levítico 11.1 a Levítico 15.3 vemos a regulamentação sobre o que é limpo e o que é impuro perante o sistema religioso judaico. Compreendamos que naquela época não haviam certos conhecimentos como os das bactérias, não haviam muitas noções de higiene e limpeza e que este padrão estabelecido por Deus e dirigido pelos levitas servia para que mantivéssemos o povo sadio mesmo vivendo como nômades em meio ao deserto.

Regulamentação dos Dias Festivos

As principais celebrações

Além dos sacrifícios a serem ofertados pelo povo escolhido, também haviam datas especiais que deveriam ser guardadas pelo povo. Estas datas tinham significado especial e contavam com celebrações que deveriam ser realizadas anualmente sob o comando dos levitas e para o louvor a Deus.
No geral pode-se dizer que estas festas serviam como ocasiões propícias para a adoração a Deus e também para o ensino-aprendizado sobre tudo que Deus é e tudo que Ele já havia feito.
Muitas destas festas são bastante conhecidas ainda hoje, mas infelizmente, algumas delas passaram a ser celebradas de forma ritualística por uns e de forma paganizada por outros.
O Sábado (Levítico 23:1-3)
Levítico 23:1-3 DEPOIS falou o SENHOR a Moisés, dizendo: | Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: As solenidades do SENHOR, que convocareis, serão santas convocações; estas são as minhas solenidades: |  Seis dias trabalho se fará, mas o sétimo dia será o sábado do descanso, santa convocação; nenhum trabalho fareis; sábado do SENHOR é em todas as vossas habitações.
A cada seis dias trabalhados deveria haver um sétimo dia que fosse dedicado ao descanso e a Deus. Já vimos no estudo sobre Gênesis e Êxodo que a palavra Sábado é uma transliteração do termo hebraico Shabbat que significa Descanso. Também vimos que a contagem nem sempre foi fixa e que o padrão era contar seis dias trabalhando e no sétimo deveriam descansar.
O dia de Descanso não era um padrão exclusivo de Israel. Na verdade os reinos babilônicos também tinham seus dias de Descanso nos dias sete, quatorze, dezenove, vinte e um e vinte e oito de cada mês.
Durante este dia eram feitas celebrações pelos sacerdotes e todo povo deveria dedicar-se a Deus.
A Páscoa (Levítico 23-4-5)
Levítico 23:4-5 São estas as festas fixas do SENHOR, assembleias santas que proclamareis no seu tempo determinado | no dia catorze do primeiro mês, ao entardecer, é a Páscoa do SENHOR
A Páscoa foi fixada para que o povo lembra-se da grande libertação dada por Deus quando eles estavam escravizados no Egito. Lembrando do que vimos no texto de Êxodo, a primeira Páscoa foi celebrada quando Deus ceifou as vidas de todos os primogênitos do Egito e preservou as vidas dos primogênitos das casas onde havia o sinal na porta feito com o sangue de um cordeiro.
Novamente a figura do cordeiro está associada a Jesus que veio a Terra como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e que, através de Seu Sangue nos protege da condenação eterna no inferno.
Sem dúvidas esta era a festa mais importante do povo de Israel e também é a festa mais importante do povo cristão, no entanto, hoje em dia comemora-se com coelhos, ovos de chocolate e outras coisas que nada tem a ver com os verdadeiros significados judaicos e cristãos.
Pães Asmos (Levítico 23:6-8)
Também celebrada no mês de Nisan, era começava um dia depois da Páscoa e seguia por sete dias. Tanto no primeiro dia quanto no último dia era realizada uma celebração especial.
Esta festa acabou se confundindo com a própria Páscoa e tornando-se uma única festa já antes de Jesus nascer. Assim é que, quando a Bíblia fala que Jesus comeu a Páscoa com seus discípulos na quinta-feira, depois foi morto na Páscoa na sexta-feira e por último ressuscitou na Páscoa no primeiro dia da semana ela está se referindo a esta união que já havia sido feita pelo povo de Deus com relação as duas festas que eram em sequência. Poderíamos então supor que na verdade, se fossemos contar a partir dos preceitos levíticos a ressurreição teria ocorrido no último dia da festa dos Pães Asmos.
Primícias (Levítico 23:9-14)
Também conhecida como festa das colheitas elas celebravam e adoravam a Deus pelo presente dado por Ele referente as colheitas. Como sinal de adoração cada adorador deveria levar um molho de sua colheita ao levita representando a totalidade do produto colhido para que, por este molho, toda colheita fosse dedicada a Deus.
Para facilitar a compreensão nos dias atuais, um efa era uma medida líquida e equivale a cerca de 20 litros e um him é também uma medida líquida e equivale a 3,5 litros.
Pentecostes (Levítico 23:15-22)
Esta festa também era chamada de “Festa das Semanas” e ocorria sempre no 50º dia depois da apresentação das Primícias. Seu nome Pentecostes vem exatamente do fato de se contar cinquenta dias. Seu outro nome (semanas) também deriva do período entre a festa das Primícias e o Pentecostes.
Foi neste dia, quando haviam judeus de todas as partes do mundo reunidos em Israel para a celebração do Pentecostes que o Espírito Santo derramou-se sobre toda a carne e veio habitar em nossos corações.
Festa das Trombetas (Levítico 23:23-25)
Da mesma forma com que os israelenses deveriam ter o sétimo dia como um dia especial, o sétimo mês também era especial. Nele ocorriam três festas sendo a das trombetas a primeira delas e esta já ocorria no primeiro dia do mês. Esta festa, assim como os sábados, era um dia solene de descanso e de dedicação a Deus.
Como o sétimo mês do calendário religioso de Israel, após o exílio babilônico, tornou-se o primeiro mês do calendário civil de Israel, esta festa passou a celebrar o ano novo judaico.
Dia da Expiação (Levítico 23:26-32)
No décimo dia do sétimo mês do calendário religioso de Israel era celebrado mais um dia santo. Desta vez era o dia em que o sumo sacerdote faria a expiação pelos pecados de acidente ou omissão cometidos pelos israelitas durante o ano e, posteriormente, tornou-se também o único dia em que o sumo-sacerdote entrava no lugar Santo dos Santos do Templo para ofertar sangue do sacrifício a Deus.
Festa dos Tabernáculos (Levítico 23:33-44)
A terceira festa deste mesmo mês sétimo era a festa da colheita. Ela começava no dia 15 deste mês e seguia por oito dias. No primeiro e no oitavo dia haviam celebrações e também eram considerados sábados do Senhor.
Esta celebração era para lembrar ao povo sobre o tempo em que estiveram no deserto e por isto todos deveriam passar estes dias morando em tendas ou moradias improvisadas.
Votos e Dízimos (Levítico 27)
Nesta última parte do livro de Levítico são apresentadas as regras sobre os votos e sobre os dízimos.

Conclusão:

Este esboço apresenta-nos como Deus se preocupou com Seu povo. A maioria das regras e legislações judaicas eram encontradas também nos outros povos daquela região, no entanto, o padrão judaico era sempre superior em exigências e em santificação do que os demais povos.
As principais festas tinham muito significado e todas remetem a vida e morte de Jesus Cristo, sendo realmente um espelho do que haveria de vir.
A principal lembrança que devemos ter do livro de Levítico é que devemos buscar a santidade porque nosso Deus é Santo.
Como sugestão, para que o leitor do livro de Levítico possa compreender suas correlações com os dias atuais, seria interessante ler este livro em conjunto com os quatro evangelhos e o livro de Atos. Certamente as correlações ficariam mais evidentes durante a leitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.