5 de abr de 2012

Jesus é o seu garçom, por acaso?


Porque, onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. (Luc 12:34)
Jesus atingiu alvo em cheio. Eis aqui a fonte de todos os desejos, a mola propulsora de todas as atitudes e ações do ser humano. Aquilo que é mais precioso aos olhos do homem é realmente aquilo que o motiva a fazer o que faz.
O nosso coração é ávido por eleger um rei. Dizemos que isto decorre da fome de eternidade, a centelha divina, que é própria de cada pessoa. Mas tendo o homem caído no pecado, a sua busca nunca encontrará ao Deus verdadeiro. Como diz a Palavra em Romanos 1.25, trocamos a verdade de Deus pela mentira, e adoramos e servimos a criatura antes que o Criador.
Este soberano das nossas vidas pode ser o nosso “eu”, na busca de prazeres carnais – hedonismo -, bens e riquezas, trabalho, cônjuge, filhos; ou deuses estranhos, que, no fundo, servem para satisfazer um ou mais dos itens anteriores. Observe que muitos usam inclusive o Deus cristão – o verdadeiro Deus – como um servo para obter todas as coisas citadas antes. Jesus Cristo é apenas uma outra espécie de ‘garçom’, que por fim é um meio para alcançá-las. Lucas 12.30 afirma que os homens descrentes é que procuram tudo isto.
Entretanto, o Senhor sabe que precisamos delas. E a orientação que Deus dá é “não temais” (Lc 12.32). Antes, Ele pede que ajustemos o nosso foco: buscar o Seu reino em primeiro lugar e não se preocupar. Um coração convertido procurará o Pai e herdará todas as riquezas da Sua glória (Fl 4.19), que nunca se perderão. Mas aquele que o rejeita, terá toda a vida para conseguir coisas que serão, por fim, destruídas pela corrupção e tomadas por outros (Lc 12.33).
Salomão teve aquilo que todo homem mundano procura: riquezas, honra, poder, glória. Mas, ao fim de sua vida, viu que tudo era aborrecimento, vão e vaidade (Ecl 1). Concluiu seus escritos dizendo: “Teme a Deus, e guarda os Seus mandamentos; porque isto é o dever do homem” (Ecl 12.13).
O fim supremo e principal do homem é glorificar a Deus (Rm 11.36; I Co 10. 31), e gozá-lo para sempre (Sl 73. 24- 26; Jo 17. 22- 24). Para isto foi criado: para serví-lo. Glórias, portanto, ao Senhor de toda a terra que nos resgatou para uma nova e viva esperança!

Fonte: Napec

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.